Publicado por: Nicholas Marino | 31 de janeiro de 2013

Bromélias-tanque: um ecossistema dentro de uma planta

Possivelmente você já as viu por aí. Elas estão em grande parte dos jardins em casas e parques: são as bromélias-tanque. Estas plantas são muito comuns nas florestas e restingas na América do Sul e Central. São representadas por diversas espécies, que podem ser epífitas (crescem sobre outras plantas) ou crescer no solo.

Duas bromélias-tanque da espécie Neoregelia cruenta, encontradas no Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.

Duas bromélias-tanque da espécie Neoregelia cruenta, encontradas no Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.

Estas plantas possuem uma peculiaridade muito interessante: suas folhas se sobrepõem e, neste pequeno espaço, são capazes de armazenar água. O habitat aquático formado no interior destas plantas abriga uma fauna riquíssima, incluindo pequenos microorganismos, larvas de insetos e até pererecas, que interagem entre si. Desta forma, as bromélias-tanque representam um pequeno mundo, onde os mesmos processos ecológicos que podemos observar em lagos e lagoas (ou outros ecossistemas aquáticos) podem ser estudados em uma escala reduzida.

Desde 2008, temos utilizado estas plantas como ecossistemas-modelo para estudar diversas questões envolvendo a Regulação e Estruturação de Comunidades. “Atualmente, buscamos compreender de que forma as comunidades aquáticas e os processos ecossistêmicos desempenhados por estes ambientes podem responder as mudanças globais, principalmente no que tange às mudanças climáticas e à fragmentação de habitats”, diz o prof. Dr. Vinicius Farjalla.

Representação de um corte transversal de uma bromélia. Nela podemos observar uma grande número de organismos encontrados nos tanques de uma bromélia.

Representação de um corte transversal de uma bromélia. Nela podemos observar uma grande número de organismos encontrados nos tanques de uma bromélia.

Este trabalho vem sendo realizado por três doutorandos e dois mestrandos do laboratório, que integram uma rede global de pesquisadores que também utilizam estas plantas como modelo. Apesar do pequeno tamanho, estas plantas tem muito a revelar sobre o funcionamento da natureza. Em breve, divulgaremos no blog alguns dos resultados encontrados em nossas pesquisas.

Anúncios

Responses

  1. […]  O Laboratório de Limnologia/UFRJ, interessado nesta questão, publicou o trabalho “Predicted rainfall disrupted trophic interactions in a tropical aquatic ecosystems” por Aliny P. F. Pires, Nicholas A. C. Marino, Diane S. Srivastava e Vinicius F. Farjalla na revista Ecology, uma dos mais renomados periódicos na área. A relevância do trabalho se dá por uma série de motivos, entre eles o fato de ser um dos primeiros trabalhos a testar experimentalmente o efeito de mudanças previstas no padrão de precipitação para ecossistemas aquáticos tropicais. Os autores conseguiram este feito utilizando o potencial experimental da bromélia-tanque Noeregelia… […]

  2. […] macroinvertebrados que vivem dentro de bromélias são um excelente sistema para estudar metacomunidades, já que invertebrados interagem em uma […]

  3. […] Antes, gostaria de lembrar o que é limnologia. De acordo com o livro Fundamentos de Limnologia, do autor Francisco Esteves, “pode-se definir a Limnologia como o estudo ecológico de todas as massas d’água continentais, independente de suas origens, dimensões e concentrações salinas”. Sendo assim, estudar limnologia é estudar massas de água continentais como rios, lagos e até água acumulada em bromélias. […]

  4. […] e ‘arquipélagos’ adequados para o estudo. Mas por que não utilizar bromélias-tanque? Afinal, elas apresentam uma certa similaridade quanto ao conceito de uma ilha – um habitat […]

  5. […] Já na porção terrestre da restinga vê-se outros tipos de ecossistemas aquáticos, como as bromélias-tanque. Com isso, muitas vezes esses ecossistemas se comportam como ilhas em meio às condições adversas […]

  6. […] do Oceano Pacífico diretamente para a restinga onde trabalho, no norte fluminense. Pensei nas bromélias-tanque, minhas unidades experimentais, plantas capazes de armazenar água em um ambiente extremamente […]

  7. […] pouco tempo atrás, postamos algumas informações sobre o uso de bromélias-tanque para o estudo de teorias ecológicas e como temos começado a empregar este ecossistema-modelo no […]

  8. […] um nível de replicação suficiente para a validação dos resultados. Como alternativa, o uso de bromélias-tanque como ecossistema-modelo tem ganhado destaque no teste de inúmeras teorias […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: