Publicado por: Laboratório de Limnologia/UFRJ | 6 de agosto de 2013

Como se comporta o fluxo de metano em um ambiente aquático amazônico?

O metano (CH4) é o gás-traço orgânico mais abundante na atmosfera, e de importante papel na química da troposfera e da estratosfera. Ele é também, juntamente com outros gases, como o vapor d´água e o dióxido de carbono (CO2), um dos principais responsáveis pelas alterações no clima da Terra. Assim sendo, seu crescente aumento de concentração na atmosfera tem recebido grande atenção da comunidade acadêmica e política mundial, preocupada com o aumento do efeito estufa e com as previsões catastróficas sobre o clima da Terra.

Concentrações de CO2 e CH4 na atmosfera desde o ano 1000 até os dias atuais.

Concentrações de CO2 e CH4 na atmosfera desde o ano 1000 até os dias atuais.

Atualmente sabe-se que as áreas alagáveis constituem a maior fonte natural de CH4 para a atmosfera. A Amazônia é uma das maiores planícies de inundação tropicais do mundo, e também a maior região contínua de floresta alagada do planeta. As condições físicas e químicas de seu mosaico de formações hidrológicas, onde predominam os sedimentos anóxicos e as altas temperaturas, são ideais para a formação do gás e, por isso, essa região é vista como uma área potencial para emissão de metano para a atmosfera. Com isso em vista, a ideia central do meu trabalho foi justamente estudar a biogeoquímica do metano na região do médio-baixo Solimões, analisando os fluxos difusivos deste gás da água para a atmosfera, e levando em consideração tanto a heterogeneidade ambiental quanto espacial da região.

Os resultados obtidos com a pesquisa, que foi realizada sob a orientação do professor Vinicius Farjalla, serão apresentados amanhã (07/08/13) às 14:00 no Salão Azul do CCS durante a minha defesa de mestrado, intitulada “Avaliação do Fluxo Difusivo de Metano (CH4) em Ambientes do Médio-baixo Solimões”.

Barco utilizado nas excursões de campo ao redor da Amazônia.

Barco utilizado nas excursões de campo ao redor da Amazônia.

Durante um ano e meio, a cada 3 meses, participávamos de excursões de coleta de campo com duração de até 20 dias, explorando os confins da Amazônia. Nessas excursões foram coletados dados que nos permitiram comparar os fluxos difusivos de metano nos 2 principais tipos de ambientes de água aberta amazônicos, os rios e lagos.

Procedimento de coleta do CH4 com auxílio de câmaras flutuantes.

Procedimento de coleta do CH4 com auxílio de câmaras flutuantes.

Ficou evidente que a grande heterogeneidade ambiental da região é refletida nos fluxos difusivos de CH4, que se mostraram altamente variáveis. Os lagos da região apresentaram maiores taxas de emissão durante o período de águas altas, enquanto os rios da região emitiram mais CH4 durante a fase de águas baixas. Essa “inversão” entre os dois ambientes parece estar relacionada ao nível da água nos rios da região, responsável por permitir a interação entre esses dois ambientes. Outro resultado interessante foi o de que a temperatura da água, juntamente com a concentração do gás na água parecem.

Por: Pedro Maia Barbosa

Anúncios

Responses

  1. […] O Laboratório de Limnologia, em parceria com a University of British Columbia, vem desenvolvendo o projeto: ”Biodiversidade e mudanças climáticas: mecanismos de estabilidade”, através do teste experimental em bromélias-tanque. O principal objetivo do projeto é testar se ambientes mais diversos são capazes de minimizar os efeitos que mudanças nos padrões de chuvas podem causar sobre os ecossistemas. Entre os processos ecológicos analisados neste experimento destacam-se aqueles relacionados à colonização e estruturação de comunidades biológicas e à magnitude e estabilidade de processos ecossistêmicos (decomposição da matéria orgânica, produção primária e fluxo de gases causadores de efeito estufa). […]

  2. […] (zooplâncton, fitoplâncton, bactérias, macrófitas, macroinvertebrados) e análise de emissão de gases. O que mais uma empresa pode […]

  3. […] em biologia na UFRJ. Durante toda minha iniciação científica, eu desenvolvi trabalhos sobre a dinâmica do metano em ambientes aquáticos e sempre esbarrava nas tais macrófitas aquáticas. Isso porque são muito […]

  4. […] Solimões. Os estudos sobre carbono pesquisam a produção e emissão de gases-estufa, como CO2 e metano, buscando entender como características do ecossistema – como o pulso de inundação, por […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: