Publicado por: Laboratório de Limnologia/UFRJ | 27 de fevereiro de 2015

Biodiversidade e mudanças climáticas na magnitude e estabilidade das concentrações de CO2

Ontem, dia 26 de fevereiro, aconteceu a defesa de mestrado da aluna Juliana Leal, com o título: “Efeitos da biodiversidade e mudanças climáticas na magnitude e estabilidade das concentrações de CO2 em ecossistemas aquáticos continentais”

Em seu trabalho, Juliana discutiu o papel da diversidade de detrito e do regime de chuvas sobre as concentrações de CO2 em ambientes aquáticos. As previsões para a América do Sul, com as mudanças climáticas globais, incluem chuvas mais irregulares, porém maior frequência de eventos extremos de chuva. Por sua vez, estudar o gás carbônico é importante pois, além de ser um gás do efeito estufa, é também um indicador de diversos processos ecossistêmicos.

Os detritos são base importante de muitas teias tróficas aquáticas. Por sua vez, o regime de chuvas pode alterar a magnitude e a estabilidade dos processos ecossistêmicos. Há uma grande urgência em entender como estes dois fatores podem afetar, de forma independente e interativa, a estabilidade e funcionamento dos ecossistemas aquáticos.

O ecossistema aquático estudado pela Juliana foram as bromélias-tanque. Bromélias-tanque são microcosmos muito utilizados como modelo de ambiente aquático, e como muitos ecossistemas, são influenciadas pelo material alóctone que chega dos ambientes adjacentes. Mas não se deixe enganar pelo tamanho do ambiente, achando que o trabalho dela foi fácil: o mestrado dela envolveu um mega experimento com manipulação de chuva e detritos em nada menos que 175 bromélias. Ah, e ainda teve seis meses de duração.

Mas todo o trabalho valeu a pena. Apesar das concentrações de CO2 não terem sido alteradas pela diversidade de detrito, isso mostrou que a biodiversidade pode ser importante para manter as os processos ecossistêmicos em cenários de mudanças climáticas globais. A mudança na distribuição das chuvas aumentou as concentrações de CO2, mas estas diminuíram ao longo do tempo experimental. Interações tróficas no ambiente de estudo, além de outros fatores físicos, tiveram papel crucial na dinâmica deste gás. De maneira geral, os resultados demonstraram a existência de possíveis feedback positivos entre as causas e consequências das mudanças climáticas e o papel importante da biodiversidade como fator capaz de minimizar efeitos negativos das mudanças climáticas globais.

Juliana

Defesa da Juliana Leal

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: