Publicado por: Alice Campos | 6 de julho de 2016

Um panorama simplificado da gestão de recursos hídricos no Brasil – o que aprendemos e como podemos melhorar?

Frequentemente estamos lidando com questões de conservação, gestão, redução de gastos e uso sustentável da água em nossa comunidade, escolas, instituições…Mas quais os órgãos responsáveis por criar, aplicar planos, leis e decretos no âmbito da gestão de nossas águas? Por onde começou? Quais os objetivos destes envolvidos?

E você já se aprofundou nesses aspectos em algum momento de sua formação? Infelizmente, é comum que haja uma falta de discussão e inserção desses conhecimentos em currículos de instituições de ensino, apesar de que este quadro seja bem heterogêneo em relação ao nosso país e muitas transformações estejam ocorrendo. Vamos ver brevemente que todo o arcabouço montado para a construção e implementação de um regimento das águas se deu muito gradualmente e com alguns marcos bem recentes.

Há poucos meses tentei um concurso para a AGEVAP – Associação de Pró-Gestão da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul, para o cargo de especialista em recursos hídricos. Esta foi uma ótima oportunidade para adentrar nesse mundo um pouco à parte – nem tanto assim – e entender um pouco como ele funciona (ou deveria funcionar). Um dos tópicos do conteúdo de legislação mais específico permeava por uma parte da Constituição, a Política Nacional e o Plano Nacional de Recursos Hídricos, o papel do SINGREH e como funciona a legislação dos estados alimentados pelo Paraíba do Sul. Então, achei pertinente compartilharmos um pouco dessas informações para entendermos como estamos lidando com esse recurso imprescindível à vida.

A partir disso, é interessante deixarmos certos conceitos esclarecidos. Recursos hídricos são considerados águas superficiais e subterrâneas disponíveis para qualquer tipo de uso, localizadas em diversas regiões. Este conceito é empregado devido ao valor econômico embutido neste bem comum que chamamos de água. Assim, a gestão desses recursos é definida como o conjunto de ações a regular o uso, o controle e a proteção dos mesmos em conformidade com a legislação e as normas pertinentes.

Bom, sabe-se que o ciclo hidrológico é o que interliga todos os processos essenciais à vida no planeta. Conforme a economia foi tornando-se mais complexa, mais usos foram atribuídos aos recursos hídricos, de tal forma que utiliza-se o termo ciclo hidrosocial, que seria uma adaptação do homem às características do ciclo hidrológico e suas alterações, gerando inúmeros impactos ecológicos e econômicos. Assim, as pressões sobre os usos dos recursos hídricos originam de dois grandes problemas: o crescimento das populações humanas e o grau de urbanização e aumento das necessidades para irrigação e produção de alimentos. Em consequência, grandes alterações nos ciclos hidrológicos regionais ocorrem devido à redução da quantidade e à apropriação desses recursos em escala cada vez maior e mais rápida. Considerando essas questões, vamos passar por alguns pontos da história de nosso país e acompanhar o que foi ocorrendo no âmbito de gestão das águas.

Por volta da década de 1930, onde considera-se o boom da industrialização, criou-se o Código das Águas – ligado ao Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica -, com caráter de gestão centralizada, e por várias décadas este tipo de gestão prevaleceu. Já na década de 1970, houve um enaltecimento da questão ambiental, e assim, a legislação começou a ser mais discutida na tentativa de adaptá-la às questões que surgiam. Nas décadas de 1980 e 1990 houve um reconhecimento da necessidade de trabalhar o desenvolvimento de forma sustentável e passa-se a pensar a gestão integrada dos recursos hídricos, pois as questões que se destacavam era o aumento da escassez da água e a preocupação em garantir a quantidade e a qualidade dessas águas para gerações futuras.  Logo, em 1988, com a Constituição Federal incluiu-se a obrigatoriedade de formar o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SINGREH); em 1995 foi criada a Secretaria de Recursos Hídricos – ligada ao MMA -; em 1997 foi lançada a Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH) – Lei 9.433/97 – e regulamentado o SINGREH; em 2000 criou-se a Agência Nacional das Águas (ANA) e em 2006 foi lançado o Plano Nacional de Recursos Hídricos.

Neste contexto, São Paulo foi o estado pioneiro a promulgar a sua Política de Recursos Hídricos, em que o governo se espelhou para criar a Política Nacional. Desta forma, delimitou-se a unidade de planejamento como a bacia hidrográfica, o comitê como o órgão responsável por gerir a bacia, e cada estado seguindo a sua respectiva legislação. Essa Política Nacional define padrões e critérios para regular, planejar e controlar a utilização da água, além de formalizar a criação do Sistema Nacional. Dentre os instrumentos dessa Política Nacional estão os Planos de Recursos Hídricos, a outorga e a cobrança pelo uso de recursos hídricos.

O Plano Nacional apresenta os seguintes objetivos:

– A melhoria da disponibilidade hídrica em qualidade e quantidade;

– A redução dos conflitos reais e potenciais;

– A percepção da conservação da água como valor socioambiental.

Além disso, o Plano Nacional passa por constantes atualizações para acompanhar as condicionantes (climáticas, socioeconômicas,…) das diferentes regiões. Uma situação um pouco surpreendente é o estado do Amazonas, que apesar de apresentar extensas bacias hidrográficas, ainda se encontra bem deficiente em relação ao planejamento e gerenciamento de seus recursos.

Já a outorga e a cobrança são medidas complementares; a outorga trabalha com a quantidade e a qualidade de água disponível para o uso e a cobrança trabalha com a racionalização entre os usuários.

Esquema ilustrando os diferentes atores do cenário institucional brasileiro em relação à gestão de recursos hídricos – extraído de http://www.agevap.org.br/

Então, qual a ideia de criar um Sistema Nacional que substituísse as atribuições ligadas somente a um órgão? Foi uma forma de descentralizar a gestão, incluindo a participação da sociedade, dos usuários, dos órgãos públicos, planejando e regulando a quantidade e a qualidade de água, a cobrança, evitando conflitos. Dentre os membros do SINGREH estão os Conselhos de Recursos Hídricos – Nacional, Estadual e do Distrito Federal; a ANA; os Comitês e as Agências de bacia, além de outros órgãos das esferas Federal, Estadual e Municipal. Os Comitês de bacia também apresentam componentes de diversas esferas (da União e Estados às entidades civis), correspondentes às áreas de atuação de suas respectivas bacias. Seus papéis envolvem: promover o debate sobre recursos hídricos, arbitrar conflitos, aprovar o Plano de R.H. da bacia e acompanhar sua execução, estabelecer os mecanismos de cobrança pelo uso, deliberações, entre outros. As Agências funcionam como os braços executivos do Comitê (ou de mais de um), que recebem e aplicam os recursos arrecadados com a cobrança pelo uso da água da bacia – por exemplo, a AGEVAP atende a quatro Comitês afluentes ao rio Paraíba do Sul (CBH Médio Paraíba do Sul, Comitê Piabanha, CBH Rio Dois Rios e CBH Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana).

Por fim, é importante termos consciência de como a participação pública pode atuar, tanto na elaboração e revisão dos Planos quanto no acompanhamento das tomadas de decisão principalmente nos níveis locais, que abrangem suas áreas de bacia. Neste sentido, a Educação Ambiental tem papel fundamental de informar sobre usos e usuários, conflitos e impactos associados ao uso, qualidade da água, instrumentos da Política Nacional, e de capacitar as pessoas para a interpretação e análise de situações que possam envolver inúmeros interesses.

O gerenciamento integrado deve promover a interação efetiva entre o ciclo hidrosocial e o ciclo hidrológico. Sua implantação está passando por transições e novas metodologias e projetos estão sendo implementados em muitos países e continentes para buscar resoluções dos problemas relativos aos usos e à otimização dos usos múltiplos.

Referências:

MMA. (2008). Plano nacional de recursos hídricos: Programas de desenvolvimento da gestão integrada de recursos hídricos do Brasil: volume 1. Secretaria de Recursos Hídricos – Brasília: MMA, 152 p.

Tundisi, J.G. (2001). Ciclo hidrológico e gerenciamento integrado. Gestão das Águas/Artigo, p. 31-33.

Site da AGEVAP: http://www.agevap.org.br/

Site da ANA: http://www2.ana.gov.br/Paginas/institucional/SobreaAna/legislacao.aspx

Site do MMA: http://www.mma.gov.br/agua

Anúncios

Responses

  1. Oi Alice, parabéns pelo texto e pelo tema! Muito importante. Precisamos falar mais sobre isto. Por exemplo, acho que devemos discutir sobre a definição de recurso hídrico, pois me parece desconsiderar a água para a proteção dos organismos e processos ecológicos.

    • Oi Reinaldo, desculpa a demora na resposta. Obrigada pelas palavras! De fato é um tema que abrange diversas áreas, mas que constantemente deixamos de estimular sua discussão dentro do ambiente acadêmico. Também acho pertinente um ponto que ressaltou, como a definição de recurso hídrico. Na legislação me parece que ele está muito mais atrelado às necessidades socioeconômicas do que à natureza, seus seres e processos. Como podemos entrar em contato com essa temática de forma mais presente? Fica aqui uma sugestão da criação de um grupo de discussão. Obrigada pelas suas considerações!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: